Número de trabalhadores empregados pelo Projeto São Francisco ultrapassa os seis mil

Desse total, dois mil foram contratados nos últimos meses para postos abertos por sete ordens de serviço emitidas ao longo de 2013

Considerado um dos maiores empreendimentos de infraestrutura hídrica do governo federal, o Projeto de Integração do Rio São Francisco atingiu a marca de mais de seis mil funcionários trabalhando para a conclusão do empreendimento. O crescimento do número de contratações ocorreu devido à assinatura das últimas sete ordens de serviço emitidas ao longo deste ano: cinco para o Eixo Norte e outras duas destinadas ao Eixo Leste do programa.

1

Com mais de 1,8 mil equipamentos em operação, atualmente quatro trechos da obra estão em atividade 24 horas por dia. Dos mais de seis mil trabalhadores contratados, cerca de 5.600 atuam diretamente ligados à construção de canais, túneis, barragens e das vilas produtivas rurais. Outros 600 profissionais estão na supervisão, fiscalização e gestão das obras civis, eletromecânicas e ações ambientais do empreendimento.

Além das reuniões mensais que ocorrem em campo para acompanhar de perto o cumprimento dos contratos, o Ministério possui equipes que residem e monitoram o dia a dia das ações das construtoras ao longo dos municípios.

Novo planejamento – O Projeto de Integração do Rio São Francisco irá recuperar 21 açudes e construir outros 26 reservatórios, que funcionarão como pulmões de água para os sistemas de abastecimento do agreste, fornecendo 6m³ por segundo. A estrutura beneficiará cerca de 12 milhões de pessoas no semiárido nordestino, abrangendo  21 municípios:  11 em Pernambuco, cinco no Ceará e os outros cinco na Paraíba.

O empreendimento foi pensado para que as populações rurais sejam abastecidas a partir da água transferida pelos canais do Projeto. Serão atendidas 325 comunidades que residem a uma distância de cinco quilômetros de cada margem dos canais dos Eixos Norte e Leste da obra. A conclusão dos sistemas está prevista por etapas, que deverão ser entregues a partir do quarto trimestre deste ano até o fim de 2015.

Para a construção, o Ministério administra 43 contratos, que envolvem 80 empresas. Com o objetivo de aperfeiçoar o gerenciamento do projeto, foi implantando em 2011 um novo planejamento que adotou a licitação de apenas seis trechos de obras com o prazo de conclusão até 2015. O órgão também reduziu o número de contratos de supervisão das obras de 14 para três.

Programas ambientais - Orçado em R$ 8,2 bilhões, o empreendimento prevê recursos de quase R$ 1 bilhão para programas socioambientais e arqueológicos, o que representa cerca 11,8% do valor total. O montante é considerado o mais significativo volume de investimentos já destinados a projetos dess natureza do semiárido setentrional.

Atualmente, são desenvolvidos 38 Programas Básicos Ambientais, que visam à minimização, compensação e controle dos impactos ambientais provocados pela implantação e operação da obra.  Entre as propostas, está a capacitação de agentes comunitários de saúde, agentes de combate às endemias e lideranças comunitárias em 17 municípios nos estados de Pernambuco, Ceará e Paraíba.