Caruaru-PE: Elenco do Central não treinou e não concentrou, mas vai entrar em campo hoje contra o Sport

O elenco do Central se recusou a participar do coletivo apronto e a concentrar devido o atraso no pagamento da folha salarial do mês de Março, nesta terça-feira (28.04), mas, promete entrar em campo ás 20h de hoje diante do Sport, no Estádio Luiz José de Lacerda (Lacerdão), em Caruaru, buscando um bom resultado no 1º jogo do confronto que vai definir o 3º colocado do Campeonato Pernambucano 2015, e consequente, definirá o clube que vai representar o estado nas Copas do Brasil e do Nordeste em 2016.

Mesmo com todos os problemas o técnico Humberto Santos preferiu fazer mistério sobre qual formação utilizar, mas a provável escalação do Central deve ser: Beto; Fabinho, Sinval, Natan e Jailton; Erick, Jucemar Gaúcho, Fernando Pires, Juninho Silva; Candinho e Róger.

Os zagueiros André Lima, lesionado no joelho esquerdo, e Matia Binatti, com uma lesão na coxa direita, além de Éverton, expulso na última partida, não enfrentam o Sport.

Pelo menos uma notícia boa. O meia Juninho Silva volta de suspensão e deverá voltar ao time titular.
Ingressos: R$ 30,00 (arquibancada), R$ 15,00 (estudantes e sócios) e R$ 50,00 (cadeiras)

No Sport, sem poder contar com Vitor, suspenso, o técnico Eduardo Baptista escolheu Oswaldo para o setor. Com isso, a tendência é que o Sport entre em campo com Magrão; Oswaldo, Durval, Ewerton Páscoa e Renê; Rithely, Neto Moura (Wendel), Elber e Diego Souza; Samuel e Felipe Azevedo.

1 2

TV Replay, o que é bom se repete!

Diretoria do Sport luta por contratações, mas recebe vários “não”

Ataque e meio-campo. Desde o início do Campeonato Brasileiro a diretoria do Sport luta para contratar alguns atletas para estas posições. Tentando reforçar a equipe, os dirigentes abriram negociação com nada menos que 11 atletas. Contudo, o Rubro-negro vive uma rotina de insucesso no mercado da bola. Mas as frustrações não tiram a confiança do presidente do clube, Gustavo Dubeux.

Tentando encontrar um substituto para Marcelinho Paraíba, que saiu do clube no final do Pernambucano, a diretoria tentou nada menos que oito atletas. Na lista, nomes de peso como o colombiano Macnelly Torres e Juninho Pernambucano. Mas o primeiro foi descartado após o Leão tomar conhecimento dos valores da negociação, algo em torno dos US$ 3 milhões. Já o atleta do Vasco recusou a proposta rubro-negra e preferiu segui no clube carioca.

Além deles, Elias, do Atlético-GO, Hugo, Renato Cajá, Vitor Júnior, Felipe Menezes e o argentino Manso foram procurados. Mas todas as negociações acabaram fracassando.

Para o diretor de futebol do clube, Aluísio Maluf, as dificuldades encontradas pelo Rubro-negro é algo normal quando não se possui um orçamento privilegiado.

Se para o meio-campo a situação não está nada fácil, o mesmo vale para o ataque. Mesmo tendo contratado Henrique, a diretoria não mede esforços para acertar com um atleta que possa levar o Leão para o caminho das redes adversárias. Mas as tentativas para contratar Neto Berola, do Atlético-MG e Oswaldo, do São Paulo, esbarram na falta de vontade dos clubes em liberar os jogadores. Já o argentino Ariel, que ganhou destaque com a camisa do Coritiba, ficou longe da Ilha do Retiro pelo alto custo da negociação com a LDU, do Equador, atual clube do jogador.

Os insucessos fizeram com que o clube adotasse a tática do sigilo nas futuras negociações. Tática que, para Aluísio Maluf, serve para afastar concorrências.