Cachoeirinha-PE: Homem é detido após ser acusado de esfaquear e levar a morte dois cachorros em via pública do município

Na tarde desta terça-feira (08), a guarnição da Polícia Militar da cidade de Cachoeirinha, situada no Agreste Pernambucano, foi acionada por populares para comparecer na Rua Major Tomás, localizada no centro da cidade, pois no referido local, José Nilton Soares de Albuquerque, conhecido por ”Zominho”, 36 anos, residente no município em questão, teria esfaqueado um cachorro em via pública, o que levou o animal a morte; segundo informações de testemunhas, o imputado atingiu com um golpe de faca peixeira, o peito do animal.

José Nilton Soares de Albuquerque

José Nilton Soares de Albuquerque , “Zominho”

IMG-20151209-WA0008

Faca utilizada no crime

IMG_20151208_204000442 IMG_20151208_204009271 IMG_20151208_204022313

Informaçoes deram conta que o acusado teria esfaqueado o primeiro animal na Rua Manoel Leite, e teria seguido para a Rua Major Tomás, local do segundo delito cometido, momento em que foi detido por populares que estavam revoltados com a atitude do mesmo.

A proprietária de um dos cachorros, Dona Genésia, relatou para nossa equipe que estava chocada com o acontecimento, e muito triste com o ocorrido, pedia que o autor do crime fosse punido. O animal foi atingido em frente a sua residência, e após ser ferido, percorreu alguns metros, vindo a morrer no meio da rua.

Dona Genésia

Dona Genésia

DSC_0021

Local onde o cachorro foi atingido

Local onde o cachorro morreu

Local onde o cachorro morreu

IMG-20151208-WA0041 IMG-20151208-WA0042 IMG-20151208-WA0043

O efetivo policial se deslocou até o local informado e deteve o imputado, encaminhando-o à DP da cidade de Belo Jardim-PE juntamente com as testemunhas, para que as medidas cabíveis fossem aplicadas.

Desfecho da Ocorrência: Foi lavrado um T.C.O (Termo Circustanciado de Ocorrência) em desfavor do imputado e o mesmo liberado em seguida.

 Participaram da operação:

  • Sd. Souza;
  • Sd. Vieira.

 

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 29 de abril do ano corrente, o Projeto de Lei 2833/11, que criminaliza condutas contra a vida, a saúde ou a integridade de cães e gatos.

De acordo com o texto, matar cão ou gato terá pena de detenção de 1 a 3 anos. A exceção será para a eutanásia, se o animal estiver em processo de morte agônico e irreversível, contanto que seja realizada de forma controlada e assistida.

Se o crime for cometido para controle populacional ou com a finalidade de controle zoonótico, a pena será de detenção de 1 a 3 anos. Neste último caso, ela será aplicada quando não houver comprovação de enfermidade infecto-contagiosa que não responda a tratamento.

Essas penas serão aumentadas em 1/3 se o crime for cometido com emprego de veneno, fogo, asfixia, espancamento, arrastadura, tortura ou outro meio cruel.

Nova Replay, nós estamos onde a notícia está!

Olinda-PE: Criança é atacada por cachorro

Uma criança de 12 anos, foi atacada por uma cachorro que estava solto na rua, este da raça chow-chow. O fato ocorreu no bairro de Casa Caiada, e virou caso de polícia.

O menino estava caminhando na Rua Eduardo de Moraes, local onde reside quando o animal o atacou, derrubando-o no chão e o mordendo ferozmente em várias partes do corpo, mãos, barriga e pernas precisaram ser suturadas.

Criança de 12 anos que foi atacada por cão em Olinda. Foto: TV Clube/Reprodução

Criança de 12 anos que foi atacada por cão em Olinda. Foto: TV Clube/Reprodução

Devido a gravidade das lesões, o menino ficou hospitalizado por três dias e só teve alta no dia 7 de novembro.

Por recomendações médicas, a criança deverá ficar em observação até o dia 15, bem como o animal, pelo fato do risco em contrair a RAIVA, já que o período de incubação do vírus é de 10 dias.

Segundo a mãe do garoto, a dona do animal retirou-o da residência e não prestou informações.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Rio Doce.

Os moradores da rua confirmaram, que essa não seria a primeira vez que este mesmo animal atacou pessoas.

Conheça o COMPORTAMENTO E TEMPERAMENTO deste animal:

- Possui um comportamento dócil (quando bem tratado), porém, é necessário que o dono faça um trabalho de socialização (com pessoas e outros animais). Em função deste comportamento, podem ser agressivos com pessoas estranhas.

- Possuem uma natureza rebelde e não aceitam atitudes desrespeitosas.

- É uma raça de cachorro muito independente e inteligente.

- É um cachorro difícil de ser adestrado.

- É afetuoso, porém demonstra pouco este sentimento.

- Apresentam muitas vezes, desde quando são filhotes, comportamento indiferente.

- Quando querem carinho, costumam colocar a pata debaixo da cabeça ou lamber o dono.

- Possuem o instinto de caça. Na cidade, podem caçar ratos, pássaros ou outros animais de pequeno porte.

- Costumam latir pouco, porém quando latem é porque alguma coisa esta errada.

Fonte das características do animal: http://www.suapesquisa.com/cachorros/chow_chow.htm

TV Replay, informações é aqui!

 

 

 

O melhor amigo do homem também tem sentimentos

Gregory Berns, professor de neuroeconomia da Universidade de Emory, usa exames de ressonância magnética para mapear as emoções dos cães.

 Cachorros têm sentimentos, defende Gregory Berns, professor de neuroeconomia da Universidade de Emory, nos Estados Unidos. Em artigo publicado no último sábado no jornal “New York Times”, ele afirma: “cachorros são pessoas”. Para chegar a esta conclusão, o pesquisador analisou dezenas de cães num aparelho de ressonância magnética. Os exames foram feitos com os animais completamente acordados, e não anestesiados. Para isto, foi necessário muito treinamento com adestradores, um esforço que permitiu mapear pela primeira vez as reações cerebrais dos cachorros a estímulos.

“Usando a ressonância magnética para analisar a estrutura cerebral dos cachorros, não podemos mais esconder a evidência. Cães, e provavelmente muitos outros animais (especialmente os primatas, nossos parentes mais próximos), parecem ter emoções como nós”, defendeu o especialista no artigo, no qual disse esperar que as pessoas deixem de tratar os bichos como se fossem objetos.

Foram pelo menos dois anos treinando cachorros para que os exames pudessem ser realizados. A primeira “voluntária” foi Callie, cadela de Berns. Treinada com a ajuda do adestrador Mark Spivak, e ensinada a entrar numa réplica do aparelho de ressonância magnética que o pesquisador construiu em casa. Ela não apenas aprendeu a ficar parada no local exato como teve que se adaptar aos protetores de ouvido, em razão da audição sensível aos 95 decibéis de ruído que o aparelho de verdade faz.

Depois de meses de treinamento e algumas tentativas num aparelho de ressonância de verdade, os pesquisadores conseguiram produzir os primeiros mapas da atividade cerebral de Callie. Além de medir as respostas do cérebro dela a estímulos, foi possível mapear as partes do cérebro que distinguem aromas familiares e não familiares.

Com o sucesso, novos voluntários aderiram ao trabalho. Em menos de um ano já havia uma dúzia de cães aptos aos exames de ressonância. Todos foram tratados “como pessoas”. Os cientistas enfatizaram que a participação do cão era voluntária e que, a qualquer momento, ele teria o direito de abandonar o estudo. Por fim, o compromisso era de que não haveria nenhuma sedação.

Os estudos, que ainda estão no início, indicam que há semelhanças entre cachorros e pessoas nas estruturas de funcionamento do chamado núcleo caudado, uma região relacionada aos mecanismos de recompensa. Nos cães, a atividade nesta parte do cérebro também ficou ativa quando o dono do animal reapareceu. Isto está sendo interpretado como um indicativo de que os animais amariam seus donos.

“A capacidade de experimentar emoções positivas, como o amor e o apego, significaria que os cães têm um nível de sensibilidade comparável a de uma criança humana. E essa capacidade sugere que devemos repensar a forma como tratamos os cães”, defendeu Berns.

O especialista vem criticando a forma como alguns animais são tratados. E reclama que as leis permitem que eles sejam tratados como coisas que podem ser descartadas, desde que o devido cuidado seja tomado para minimizar o seu sofrimento.

“Suspeito que a sociedade esteja muitos anos longe de considerar os cães como pessoas”, lamentou o cientista.

Fonte: http://oglobo.globo.com/ciencia/o-melhor-amigo-do-homem-tambem-tem-sentimentos-10283038