Magno Alves não deve continuar no Sport

Sem muitas chances desde a chegada de Waldemar Lemos, o atacante Magno Alves deve deixar o Sport. O atacante recebeu uma boa proposta do futebol do Catar. A diretoria rubro-negra ainda vai ter uma conversar final com o treinador Waldemar Lemos, mas a tendência é pela liberação do atleta.

“Magno Alves não vem sendo relacionado pelo técnico. Assim, ele não está muito motivado. Mas só iremos liberar o jogador se o clube for recompensado financeiramente. Vamos conversar sobre o assunto durante a semana”, disse o presidente Gustavo Dubeux.

Mesmo com a possível saída de Magno Alves, o mandatário rubro-negro não pensa em contratar mais um atacante. “Acho que já temos jogadores suficientes. Gilberto está recuperado e pode jogar normalmente e Roberson está voltando ao time”, explicou.

 

Sport vence o Cruzeiro

Veja os gols da partida.

Leão vira o jogo contra o Cruzeiro na Ilha do Retiro

Mostrando mais uma vez muita garra e determinação, o Sport venceu o Cruzeiro neste domingo na Ilha do Retiro. Depois de sair atrás no placar no início da partida, o Leão teve tranquilidade e muita vontade para virar a partida. Ainda no primeiro tempo, Rithely marcou um golaço e empatou a partida. Na segunda etapa, Rithely deu um belo passe para Gilberto, que mostrou tranquilidade para virar a partida.

Rubro negro vai precisar de mais de 50% de aproveitamento no segundo turno

Terminado o primeiro turno, as contas e projeções para a segunda parte da Série A do Campeonato Brasileiro dão o tom. E na comparação com anos anteriores pode-se ter uma perspectiva para o que se espera para Náutico e, principalmente para o Sport, já que este último ocupa a zona de rebaixamento. É o 19º com 15 pontos. O aproveitamento das equipes que se encontram na faixa de degola – e as que estão próximas dela – tende a crescer no segundo turno, embora as alterações sejam poucas.

O primeiro time na zona de rebaixamento atual é o Palmeiras, com os mesmos 16 pontos do Atlético-GO. O aproveitamento é de parcos 28,1%. O Bahia, o primeiro fora da ZR, tem um índice de 29,8%. Para efeito comparativo, nos últimos três anos o 17º colocado com pior aproveitamento foi o Atlético Paranaense com 35,9% (41 pontos) no ano passado. Nesse mesmo ano, o primeiro fora do grupo também teve uma pontuação baixa: o Cruzeiro terminou com 43 pontos.

A tendência também observada nesses anos é que o aproveitamento e, consequentemente, a pontuação dos times da parte de baixo, é subir na segunda metade. O caráter decisivo de cada um dos jogos contribui bastante para esse fator. Usando como exemplo o próprio Sport, rebaixado em 2009, observa-se que o time somou 13 pontos nos 19 primeiros jogos e 18 na segunda perna da competição. Mesmo com essa subida não houve como evitar a queda em último lugar, com 31.

Para deixar a faixa perigosa, o time da Ilha precisará de um aproveitamento superior a 50%. O efeito comparativo leva em consideração três equipes que fugiram da queda no segundo turno recentemente: Atlético Mineiro em 2010 e 2011 e Fluminense em 2009.

O Galo Mineiro tinha os mesmos 15 pontos dos rubro-negros na 19ª rodada do ano passado. Na segunda parte somou 30 pontos, o que rendeu um aproveitamento de 52,63% dos 57 pontos disputados e terminou em 15º, com 45. Em 2010, o atual líder do Brasileirão também flertou com o rebaixamento. Somou 17 pontos no primeiro turno e 28 no segundo, um aproveitamento de 49,1%

Em 2009 o Fluminense, mesmo com uma equipe considerada forte capengou em toda a primeira metade e já era dada como rebaixada quando conseguiu uma reação incrível na segunda parte. O time também tinha 15 pontos e era o penúltimo colocado. Somou 31 na metade final (aproveitamento de 54%) e livrou-se com 46. É sempre bom lembrar que apesar as reações, essas equipes chegaram na última rodada ainda dependendo de resultados para não cair.

O que também se observou nesses anos foi a queda vertiginosa de uma ou duas equipes somou-se à reação de outras para modificar a zona de rebaixamento. No ano passado, o Ceará terminou o primeiro turno com 25 pontos em 13º lugar. Após a boa campanha na Copa do Brasil, quando foi semifinalista, despencou na tabela somando apenas 14 pontos no segundo turno e terminou “trocando” de lugar com o Atlético-MG.

Em 2010, ano do pior aproveitamento na parte de baixo marca a maior troca de posições na ZR. O Atlético Mineiro e o de Goiás saltaram e Guarani e Vitória despencaram. O time baiano na verdade já flertava com a degola, pois ocupava a 15ª posição com 22 pontos. Já o Bugre era o nono colocado na 19ª rodada, com 26. Na segunda perna marcou apenas 11 pontos

Jejum de gols do rubro negro já é o maior da história do clube em Brasileiros

Pense rápido. Qual foi o último gol do Sport nesta Série A? Não lembra? Mais um tempo… E talvez você se recorde daquele chute certeiro de Marquinhos Gabriel de fora da área. A perna esquerda do meia garantiu o empate em 1 a 1 com a Ponte Preta, em Campinas. Desde então, passaram-se 738 minutos de bola rolando, sete jogos ou um mês e três dias. Um jejum histórico. Decepcionante. Afinal, nunca o Leão da Ilha ficou tanto tempo sem balançar as redes do time advesário no Brasileirão.

A conta vale desde a edição de 1971, quando a competição passou a ser chamada de Campeonato Brasileiro. Naquele ano, por sinal, a equipe já começou o certame em péssima fase. Por duas vezes, encarou uma sequência de quatro jogos sem marcar – da 2ª à 5ª rodada e da 10ª à 13ª. Na ocasião, os leoninos fecharam a participação no 19º lugar, apenas à frente do Ceará.

Foram necessárias mais quatro edições da elite nacional para a equipe conseguir superar a marca negativa. Em 1976, o Rubro-negro passou a segunda fase do torneio em branco. A equipe não conseguiu comemorarr um gol nos cinco duelos que participou contra Corinthians, Coritiba, Grêmio, Botafogo e Operário-MT.

Era o auge da má fase da linha ofensiva rubro-negra em Brasileiros, só igualada uma vez. Em 1999, quando a equipe acabou na última posição da Série A. Na ocasião, o time da Praça da Bandeira foi rebaixado após marcar apenas 14 gols em 21 partidas.

Três jejuns que mancharam a história do clube, mas que ficaram esquecidos após a atual participação na Primeira Divisão. Um desacerto ofensivo que acontece, contraditoriamente, depois de um grande investimento da diretoria no ataque. Para a competição, os rubro-negros investiram na contratação de cinco atacantes: Gilberto, Magno Alves, Gilsinho, Henrique e Felipe Azevedo. Com exceção de Gilsinho, todos chegaram à Ilha do Retiro com fama de artilheiro. Agora, porém, convivem com o peso de ter entrado para uma estatística negativa.

Em 738 minutos…

Um voo comercial sai de São Paulo e chega a Los Angeles

Nascem 3.948 bebês no Brasil

Podem ser disputadas até 6 provas de maratona

É possível produzir até 841.166 exemplares do Diario de Pernambuco

Podem ser assistidas até 8 corridas de Fórmula 1

É o tempo equivalente a 4.428 provas dos 100 metros rasos no atletismo

A partida mais longa da história do tênis, em 2010, teve 665 minutos

As maiores sequências sem marcar gol

1971
Quatro jogos: 2ª à 5ª rodada e 10ª à 13ª rodada

1976
Cinco jogos: 1ª à 5ª rodada da segunda fase

1999
Cinco jogos: 10ª à 14ª rodada

Waldemar Lemos ganha mais opções contra o Flamengo

Para o jogo contra o Flamengo, quinta-feira, em Volta Redonda, o Sport contará com o retorno de pelo menos dois zagueiros: Tobi e Bruno Aguiar. Ailson, apesar de também ter cumprido suspensão no clássico, ainda se recupera de lesão. Ninguém está suspenso. A dúvida é saber se Waldemar irá manter a mesma formação do empate com o Náutico. As maiores interrogações estão no ataque e na defesa.

As boas entradas de Henrique e Gilberto no segundo tempo colocaram em xeque a titularidade de Gilsinho e Felipe Azevedo. Na defesa, Edcarlos e Diego Ivo ganharam a concorrência dos até então titulares Bruno Aguiar e Tobi. Este último, pode até brigar com Renan por uma vaga na cabeça de área.

Os rubro-negros, que se reapresentaram na tarde desta segunda-feira, embarcam para o Rio de Janeiro nesta terça, às 15h30. Pela manhã, Waldemar comanda mais um treino na Ilha do Retiro. Marquinhos Gabriel, com dores no joelho, deve ser novamente vetado. Ele fará um exame nesta terça. Vice-lanterna do Brasileirão, com apenas 15 pontos, o Sport inicia o segundo turno a dois pontos do Bahia, primeiro fora da zona de rebaixamento.

Torcida teve importância fundamental

A torcida do Sport nunca abandonou o clube. No atual momento da equipe na Série A do Campeonato Brasileiro, seria normal que os torcedores deixasse de ir ao campo ou parassem de incentivar o seu time. Mas não com o Leão da Ilha do Retiro. Depois de invadir o último treino antes do clássico com cerca de mil pessoas, a nação rubro-negra se fez presente em bom número na partida e apoiou o time do início ao fim do jogo.

Após a partida, jogadores e o treinador Waldemar Lemos elogiaram a participação. “Já estive do outro lado e sei como é difícil jogar contra o Sport quando ele tem a torcida ao seu lado. Precisamos do nosso torcedor jogando junto o tempo inteiro. Hoje foi assim e jogamos bem. Tem que acontecer isso no restante do campeonato também”, comentou o técnico Waldemar Lemos.

Em sua entrevista coletiva, o zagueiro Edcarlos preferiu falar mais sobre o que a torcida fez no dia anterior ao clássico. “A presença do nosso torcedor no jogo já era esperada. Nos surpreendeu foi o treino do sábado. Tinha muita gente aqui nos apoiando e isso nos motivou ainda mais para o clássico”, disse ele.

Para o meia Hugo, a relação entre torcedor e time tem que se manter inabalável durante o segundo turno. “Todos os jogos a partir de agora serão decisivos. Temos que vencer e não podemos mais deixar de fazer os três pontos em casa. Para isso nós esperamos que o nosso torcedor possa ter uma atuação parecida com a de hoje diante do Náutico”, falou Hugo.

Torcida teve papel fundamental

A torcida do Sport nunca abandonou o clube. No atual momento da equipe na Série A do Campeonato Brasileiro, seria normal que os torcedores deixasse de ir ao campo ou parassem de incentivar o seu time. Mas não com o Leão da Ilha do Retiro. Depois de invadir o último treino antes do clássico com cerca de mil pessoas, a nação rubro-negra se fez presente em bom número na partida e apoiou o time do início ao fim do jogo.

Após a partida, jogadores e o treinador Waldemar Lemos elogiaram a participação. “Já estive do outro lado e sei como é difícil jogar contra o Sport quando ele tem a torcida ao seu lado. Precisamos do nosso torcedor jogando junto o tempo inteiro. Hoje foi assim e jogamos bem. Tem que acontecer isso no restante do campeonato também”, comentou o técnico Waldemar Lemos.

Em sua entrevista coletiva, o zagueiro Edcarlos preferiu falar mais sobre o que a torcida fez no dia anterior ao clássico. “A presença do nosso torcedor no jogo já era esperada. Nos surpreendeu foi o treino do sábado. Tinha muita gente aqui nos apoiando e isso nos motivou ainda mais para o clássico”, disse ele.

Para o meia Hugo, a relação entre torcedor e time tem que se manter inabalável durante o segundo turno. “Todos os jogos a partir de agora serão decisivos. Temos que vencer e não podemos mais deixar de fazer os três pontos em casa. Para isso nós esperamos que o nosso torcedor possa ter uma atuação parecida com a de hoje diante do Náutico”, falou Hugo.

De volta ao time, Edcarlos lamenta empate

De volta ao time titular do Sport, o zagueiro Edcarlos foi um dos destaques do Leão na partida diante do Náutico, na noite deste domingo. Seguro na defesa ao lado do companheiro Diego Ivo, o camisa 4 do Leão não deu espaço para os atacantes do Náutico.

Com uma visão privilegiada do jogo, Edcarlos viu o Sport pressionar o Náutico durante os 90 minutos, mas não tirar o zero do placar. Por conta disso, lamentou o resultado apesar de admitir que a evolução da equipe em campo foi bastante positiva.

?Infelizmente estamos deixando o jogo com apenas um ponto. Acho que merecíamos mais pelo que nós fizemos em campo, mas não aconteceu. Temos que pensar também que ganhamos em outros aspectos no dia de hoje. A equipe voltou a ter a pegada do Sport de verdade e isso vai nos ajudar lá na frente?, comentou o zagueiro.

Um dos poucos jogadores do grupo que já trabalhou com o técnico Waldemar Lemos, Edcarlos exaltou o trabalho efetuado durante a semana. ?Ele fez um bom trabalho com a gente. Não só na parte técnica e tática. Também enfatizou muito a questão psicológica durante esses dias de preparação?, contou o camisa 4 do Leão.

Waldemar acredita em evolução ainda maior

Estreante da noite no Sport, o técnico Waldemar Lemos gostou do que viu da equipe rubro-negra diante do Náutico. Apesar do 0×0, o Leão agrediu bastante o rival e só não saiu com os três pontos por conta da boa atuação de Gideão, que ainda contou com a ajuda da trave em dois lances.

“Nós fizemos um grande jogo hoje. O Gideão foi o grande destaque do time deles e garantiu o resultado. Mais uma vez nós jogamos bem. Tivemos maior posse de bola e assim como na partida contra o Fluminense, só faltou o gol para sairmos felizes”, comentou o técnico Waldemar Lemos em entrevista coletiva concedida logo após a partida.

Satisfeito com o rendimento da equipe, Waldemar Lemos vê dias melhores para o Leão. “Vamos trabalhar muito para tirar o Sport da atual situação. Enquanto tiver possibilidades, esperança e fé, nós vamos tentar reverter esse quadro”, disse ele.

Waldemar quer a Ilha lotada no domingo

“Queria dizer para vocês que vi com o presidente a possibilidade de se ter uma redução no preço dos ingresso para que a gente possa contar com a torcida em campo no domingo. Esse jogo pode ser um grande passo para a frente. Está havendo um esforço e um empenho muito grande aqui conforme eu sempre falei. Achei o grupo excelente. Maravilhoso de trabalhar. Ninguém esta recuando e por isso pedi ao presidente essa redução nos ingressos. Estamos precisando do apoio da torcida. Precisamos ter um comportamento de acreditar sempre em quem veste a camisa do Sport. Temos que acreditar a qualquer preço porque existe um trabalho aqui. Essa fé e essa crença é porque está acontecendo alguma coisa de verdade e nós temos condições de reverter esse quadro. Estou otimista para esta partida contra o Náutico. Precisamos da participação da torcida. Que ela venha nos apoiar. Agradeço desde já a colaboração”, disse Waldemar Lemos.

Sandro Meira Ricci apitará o Clássico entre Sport e Náutico

O clássico entre Sport e Náutico, neste domingo, às 18h30, na Ilha do Retiro, já tem juiz definido. Pela terceira vez no ano o arbitro Sandro Meira Ricci apitará o Clássico dos Clássicos. O sorteio da escala de arbitragem foi realizado na tarde desta terça-feira, na sede da CBF.

Nos dois outros clássicos em que Sandro foi o juiz, ambos terminaram empatados em 0 a 0, sendo uma nos Aflitos e outra na Ilha. Meira Ricci se envolveu em polêmicas na fase final do campeonato pernambucano, ambas com o Sport. A primeira foi na semifinal entre Sport e Náutico, quando o assistente marcou impedimento em um gol legítimo de Souza. Já a segunda foi na finalíssima do pernambucano entre Sport e Santa Cruz, quando novamente um impedimento marcou a partida. Branquinho fez o primeiro gol coral em posição irregular e mais uma vez o assistente falhou, eximindo Sandro de culpa.

Mesmo com as polêmicas as atuações de Sandro foram firmes, principalmente por saber controlar o jogo. O arbitro tem fama de conversar com os jogadores e deixar a partida correr. Neste ano ele apitou 25 partidas e distribuiu 118 cartões amarelos, tendo média de 4,72 exibidos por jogo. Já quando se trata de expulsão o número cai bastante. Sandro só mostrou o cartão vermelho a  oito jogadores nesta temporada.

Time precisa de ajustes para encarar Náutico em jogo de fechamento do primeiro turno

Ainda sem dar muitas pistas sobre qual o time será escalado para o clássico contra o Náutico, no próximo domingo, na Ilha do Retiro (às 18h30m), o técnico Waldemar Lemos deu indícios de que pode promover algumas mudanças no meio-campo do Sport. Durante a movimentação da manhã desta terça-feira, o treinador dividiu o grupo em três times, com um deles sendo formado pelo possível sistema defensivo titular. Estavam lá, Cicinho, Edcarlos, Diego Ivo, Willian Rocha, Rithely e Moacir.

Para o jogador, a chegada de Waldemar Lemos melhorou a autoestima do elenco. “Ele (Waldemar) fala muito da questão interior. Tenta nos motivar, para que a gente possa confiar em nosso potencial e com isso ajudar todo mundo. Waldemar também pede que a gente tenha muita pegada e mostre muito empenho.”

Leão é o vice-lanterna e tentará dar a volta por cima contra o Náutico no jogo do próximo domingo, às 18h30m

A péssima campanha do Sport no Campeonato Brasileiro ligou o sinal de alerta no clube. Com 14 pontos, o clube segue na zona de rebaixamento. Tendo como base a média de pontos das últimas quatro edições, o clube necessitaria de mais 29 pontos para se safar da “degola”.

Cotado para assumir a titularidade para a partida contra o Náutico, no próximo domingo, na Ilha do Retiro, o atacante comentou o fato de ter perdido espaço na equipe.

“Não sei por que saí do time, foi uma opção do treinador. Mas acho que estava bem. Em quatro jogos, tinha feito dois gols e isso não é ruim. Porém tenho que respeitar a opção que ele teve. Chateado certamente eu fiquei, mas não guardo mágoas.”

Questionado sobre o mau momento do ataque leonino, que não marca há seis jogos, Henrique disse que o pior já passou e aproveitou a oportunidade para elogiar o volante Rithely, muito cobrado pelos torcedores após perder algumas oportunidades.

“Não tivemos muitas chances e perdemos alguns gols, também. Mas isso passa. Muitos falam do Rithley, mas ele tem uma facilidade muito grande de chegar à cara do gol porque corre o tempo todo. Ele é um excelente jogador e tenho certeza de que, quando acertar a primeira, vai fazer muitos. Rithely tem um estilo parecido com Paulinho (volante do Corinthians), que chega sempre ao gol.”

Confirmado no meio de campo, Naldinho volta a jogar após 16 rodadas afastado

Na Ilha do Retiro desde o início da Série B do ano passado, o volante Naldinho terá uma nova oportunidade de provar o seu valor. Escolhido pelo interino Gustavo Bueno para compor o meio de campo do Sport para o confronto com o Botafogo, o atleta volta a disputar uma partida após 17 rodadas. Sem temer a falta de ritmo, Naldinho garantiu estar ciente responsabilidade que carregará e mostrou otimismo em relação ao resultado.

Com poucas chances no Pernambucano, Naldinho chegou a demonstrar sua insatisfação, chegando a solicitar uma reunião com o presidente Gustavo Dubeux, onde pediria para ser emprestado. Com a queda de Mazola, entretanto, o volante voltou a ter uma oportunidade. Justamente com Gustavo Bueno, que apostou no jogador para a estreia com o Flamengo, em partida que terminou empatada por 1 a 1. Desde então, sequer foi relacionado para outro jogo.

Apesar da ansiedade aparente, Naldinho garantiu estar pronto para ajudar o Sport a sair da crise em que o clube está mergulhado. “Realmente, passei um bom tempo fora. Não estava tendo oportunidade com Mancini, mas Gustavo voltou a me dar uma chance. Espero aproveitá-la bem e ajudar o time nesses dois compromissos difíceis”, destacou. “Sempre trabalhei forte. Muitas vezes, Gustavo chegou para me dar moral, falando para eu não baixar a cabeça”, acrescentou.

Naldinho, entretanto, tratou de esclarecer que não guarda mágoas de Mancini. “A gente fica chateado porque não estava jogando, mas não fico feliz pelo fato de ele ter ido embora. Mancini é um grande profissional e aprendi muitas coisas com ele. Mesmo não sendo aproveitado, ele sempre falava comigo. Me dizia que eu era importante para o time”, justificou.

Ciente de que acaba de se deparar com uma nova encruzilhada em sua carreira, Naldinho contou que compensará a falta de ritmo de jogo com muita disposição. “Fiz um trabalho muito bom de ganho de massa muscular com Inaldo Freire (fisiologista do clube) e ficamos satisfeitos com o resultado”, revelou. “Estou muito animado com a oportunidade. Jogar contra um atleta como Seedorf será muito especial e dá ainda mais motivação”, finalizou.

Veja os gols de Sport 0 x 2 Vasco

Sport não escapa de mais uma derrota

Antes considerado um dos principais ídolos do Sport, Juninho Pernambucano não goza mais de tanto prestígio, principalmente depois da noite desta quarta-feira. Com um gol marcado pelo meia, que mandou beijos para os torcedores rubronegros, o Vasco da Gama venceu o Leão, por 2 a 0, na Ilha do Retiro, pela 15ª rodada e assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro. Carlos Tenório completou o placar no final do jogo.

Sem vencer há cinco partidas, o Sport estacionou nos 14 pontos e segue lutando contra o rebaixamento. Vindo de dois empates seguidos, o Gigante da Colina aumentou sua sequência invicta para oito jogos e chegou aos 34 pontos, assumindo a liderança provisória, já que o Atlético-MG, que tem dois a menos, entra em campo apenas na quinta-feira.

O Sport volta a campo no próximo sábado, novamente na Ilha do Retiro, quando recebe o Figueirense, às 18h30, pela 16ª rodada. Já o Vasco da Gama enfrenta o Atlético-MG, no domingo, às 16 horas, na Arena Independência.

Sport busca reabilitação contra o Vasco

O Sport volta a jogar na Ilha do Retiro na noite desta quarta-feira e tem a chance de voltar a vencer pela Série A do Campeonato Brasileiro. O jogo de hoje, contra o Vasco, é válido pela 15ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro e pode marcar o reencontro do Sport com as vitórias, que não acontecem há cinco jogos.

Por conta dos últimos resultados, o Sport é o 15° colocado na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro e luta para se afastar ainda mais da zona de rebaixamento. O confronto desta noite não será nada fácil. O Vasco, adversário rubro-negro é o vice-líder do torneio com 31 pontos conquistados e nenhuma derrota jogando fora dos seus domínios.

Para o jogo desta noite, o técnico Vágner Mancini terá dois reforços importantes. São eles o volante Rivaldo e o atacante Henrique. O primeiro volta de suspensão e o segundo fica à disposição depois de não poder enfrentar o São Paulo por questões contratuais. Outra novidade na Ilha do Retiro será o meia Hugo, que estreou no último domingo, mas ainda não teve contato com a nação rubro-negra.

Após 13 anos, Juninho que foi revelado pelo clube pernambucano volta a atuar no estádio onde iniciou a carreira na partida desta quarta-feira

No campo, Sport e Vasco vão duelar em busca dos três pontos. Mas pelo menos num aspecto, as duas torcidas que estarão na Ilha do Retiro, nesta quarta-feira, terão um interesse em comum. A partida que começa às 19h30m (de Brasília), pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro, vai marcar a volta de Juninho Pernambucano ao estádio no qual iniciou a carreira. Após 12 anos ele volta a enfrentar o clube que o revelou vestindo a camisa do clube do qual é um dos maiores ídolos.

Juninho enfrentou o Sport pela última vez em 2000, mas não joga na Ilha do Retiro desde 1999, quando a equipe cruz-maltina empatou em 0 a 0, pelo Brasileirão. Nesta quarta-feira, o capitão do Vasco terá a missão de liderar um grupo que está em busca da liderança da competição. Atualmente a distância para o Atlético-MG, atual primeiro colocado, é de apenas um ponto. Entretanto, o Galo tem uma partida a menos.

Embora o Sport tenha o caldeirão da Ilha do Retiro como um trunfo, o time comandado por Vagner Mancini está há duas rodadas sem vencer em casa. A equipe amarga um jejum de cinco jogos (três derrotas e dois empates), o que reflete na 15ª posição na tabela, com 14 pontos e apenas dois da zona de rebaixamento.

Já o Vasco tem a seu favor a confiança de ainda não ter perdido em seis partidas fora do Rio de Janeiro neste Brasileirão (três vitórias e três empates). O time do técnico Cristóvão Borges está invicto há oito rodadas e não sofre gols há seis. Entretanto, são duas partidas sem balançar as redes adversárias (empates em 0 a 0 com Internacional e Corinthians).

Árbitro paulista comandará partida contra o Vasco

A Confederação Brasileira de Futebol divulgou os árbitros que estarão na Ilha do Retiro na próxima quarta-feira, comandando o jogo do Sport contra o Vasco, pela 15ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. A partida terá o comando do árbitro paulista Guilherme Ceretta de Lima, que será auxiliado Márcio Luiz Augusto e Daniel Paulo Ziolli, nas linhas de fundo. Os alagoanos Flávio Feijó Omena e Josévaldo Bissaria de Melo ficam nas linhas de fundo.

Rubro negro definido com três volantes para encarar o Vasco

Pressionado pela necessidade de montar uma equipe competitiva para a difícil missão de vencer o Vasco da Gama, o técnico Vágner Mancini comandou um coletivo na manhã desta terça-feira, na Ilha do Retiro. Mesmo diante das recorrentes falhas de seu sistema defensivo, Mancini praticamente repetiu a escalação inicial da derrota para o São Paulo. A única novidade foi o retorno do volante Rivaldo, que cumpriu suspensão automática e retorna à cabeça de área leonina.

Tentando corrigir as insistentes falhas de posicionamento e cobertura da equipe, o treinador parou a movimentação em várias oportunidades. Em alguns momentos, passou instruções coletivas, em outros, individuais. Mostrando confiança no esquema que vem utilizando, o técnico manteve a formação no 4-5-1, mas testou também variações para o 3-5-2 para os casos em que o time esteja sendo pressionado. Neste caso, o volante Tobi recua para jogar na sobra, entre Aílson e Diego Ivo.

A expectativa é de que o retorno de Rivaldo garanta um crescimento do poder de marcação da equipe. Afinal de contas, seu substituto no jogo com o São Paulo, o meia Willians, teve um péssimo desempenho. Vale ressaltar entretanto, que em alguns momentos Willians precisou desempenhar a função de segundo volante, função que não costuma realizar.

A equipe titular do coletivo foi formada por Magrão; Moacir, Aílson, Diego Ivo e Reinaldo; Tobi, Rithely, Rivaldo, Felipe Azevedo e Marquinhos Gabriel; Gilberto.

Vitória é o que importa para o elenco

Cinco jogos sem vitórias, aproximação da zona de rebaixamento e pressão da torcida. Para os jogadores do Sport, este cenário negativo terá que ser interrompido na próxima quarta-feira, às 19h30, quando o Leão enfrentará o Vasco, na Ilha do Retiro. Destaque da equipe durante a derrota para o São Paulo no último domingo, o goleiro Magrão afirmou que não existe mais tempo para desculpas.

Já para o atacante Felipe Azevedo, o Sport não pode repetir contra o Vasco, a atuação que teve contra o Atlético-GO, quando saiu de campo vaiado após empatar em 0 a 0. Após afirmar que os jogadores sabem da responsabilidade que terão pela frente, o atleta pediu o apoio da torcida e garantiu que o time não irá decepcionar os rubro-negros.

Os retornos e desfalques do Sport para o jogo contra o Vasco

As constantes mudanças na equipe rubro-negra parecem longe de chegar ao fim. Dessa vez, por motivos de força maior. O zagueiro Edcarlos e o meia-atacante Willians tomaram o terceiro cartão amarelo e estão de fora do jogo com o Vasco, na quarta. Por outro lado, o técnico Vágner Mancini conta com o retorno de importantes peças e terá a possibilidade de dar mais qualidade técnica ao time rubro-negro.

Isso porque o volante Rivaldo, que deu maior estabilidade ao meio-campo, está à disposição do treinador depois de cumprir suspensão automática. Com isso, ele deve retornar ao time na vaga de Rithelly. Outro que também pode jogar na Ilha do Retiro contra a equipe de Juninho Pernambucano é Henrique. Por força contratual, o jogador, que pertence ao São Paulo, não pôde enfrentar o Tricolor Paulist no último domingo.

A saída de Edcarlos, que estava reserva, abre um problema ainda maior para o Sport. Considerado o pior setor da equipe, a defesa ainda pode não contar com Bruno Aguiar que fraturou o nariz e também não jogou contra o São Paulo.

Gols São Paulo x Sport

Magrão faz de tudo, mas Sport perde para o São Paulo

A reação de Magrão no gol do São Paulo resume não apenas o que foi o jogo, mas o que tem sido a participação do Sport  neste Brasileirão. Uma vez mais, o camisa 1 vinha salvando a equipe rubro-negra, mas novamente, foi traído por seu sistema defensivo. O 1 a 0 levou o jejum de vitórias do Leão para cinco rodadas, aumentando a crise na Ilha do Retiro. Próximo da zona de rebaixamento, o próximo compromisso é com o Vasco, que briga pela liderança do campeonato.

O reforço no sistema defensivo do Leão não mostrava resultado. Mesmo sem Lucas e Luís Fabiano, dois de seus principais jogadores, o São Paulo encontrava facilidade para chegar à área rubro-negra, explorando as falhas de posicionamento da equipe pernambucana. Antes dos 16 minutos, o goleiro Magrão já havia praticado duas grandes defesas, em finalizações de William José e Ademílson, que entraram cara a cara com o camisa 1 do Sport.

A proposta de contra-ataques surtiu efeito pela primeira vez apenas aos 19 minutos. Apesar de marcado, o atacante Gilberto resolveu arriscar da intermediária. O arremate rasteiro, no canto direito, obrigou Rogério Ceni a esticar-se para desviar a bola para a linha de fundo. O lance parece ter animado os rubro-negros, que passaram a empenhar-se mais na marcação, esfriando os ânimos são-paulinos. Com as ações equilibradas, o Sport até conseguiu marcar presença na intermediária adversária, entretanto, os erros de passe impediram a criação de lances de perigo.

As equipe mantiveram as propostas durante o início do segundo tempo. Valorizando a posse de bola, os são-paulinos seguiam rondando a intermediária rubro-negra. Com a marcação bem encaixada, o Sport armou alguns contra-ataques perigosos. Na melhor chance, Felipe Azevedo lançou Gilberto, que assustou Rogério Ceni com uma bomba de fora da área. Os minutos seguintes foram de um claro crescimento do Tricolor. Diante do cenário, o técnico Vágner Mancini mudou o esquema leonino, com Edcarlos entrando na vaga de Willians para que o time passasse a atuar com três zagueiros.

Empurrado pela torcida, o São Paulo seguiu pressionando e diante das seguidas falhas da defesa leonina, finalmente conseguiu abrir o placar. Magrão já havia praticado outras quatro defesas dificílimas, quando Cícero entrou sozinho novamente e fuzilou em cima do camisa 1, que conseguiu defender. Traído pelo efeito da bola ao quicar no chão, Magrão viu Ademílson, livre de marcação, encher o pé para estufar a rede leonina.

Sport joga contra o São Paulo e luta contra o retrospecto

No próximo domingo, no Morumbi, o Sport enfrenta o São Paulo, em partida válida pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Além do bom momento do time paulista, que goleou o Flamengo por 4 a 1  na última partida, o Leão terá pela frente outro adversário: o retrospecto.

O Sport nunca conquistou sequer um ponto jogando no Morumbi. Em 13 jogos, foram 13 derrotas. O pior resultado foi um 4 a 0, válido pelo primeiro turno do Brasileirão de 2009. A dificuldade leonina é grande: entre 1988 e 1995, o time jogou por três vezes contra os tricolores e não conseguiu marcar nenhum gol. Derrotas por 3 a 0, 2 a 0 e 1 a 0.

Pressionado pela inconstância do time, além da má campanha que vem fazendo na Ilha do Retiro, os rubro-negros precisarão arrancar ao menos um empate na capital paulista para não enxergarem a zona de degola cada vez mais perto.

O Leão tem uma semana cheia de treinamentos para tentar corrigir os defeitos recorrentes nas últimas partidas. O time deve contar com a estreia do meia Hugo, contratado como grande nome do meio campo leonino. Em contrapartida, deverá perder Bruno Aguiar, por conta de uma fratura no nariz.

Sport não tem boa campanha dentro de casa

O empate por 0 a 0 com o Atlético-GO no último domingo ligou o sinal de alerta no Sport. Acostumados a ver o clube aterrorizar os rivais na Ilha do Retiro, os rubro-negros estão se habituando a outra realidade. Na atual temporada, o “Caldeirão da Ilha” ainda não esquentou e o Leão possui a pior campanha das últimas três participações na Série A, levando-se em consideração os sete primeiros jogos feitos em casa.

A campanha chega a ser pior do que aquela realizada em 2009, ano em que o Sport foi rebaixado para a Série B.

Dos sete jogos disputados em seus domínios, o Sport venceu dois, empatou três e perdeu dois. Para o volante Tobi, o clube precisa urgentemente recuperar a força da Ilha do Retiro.

A torcida comparece, mas o time não tem feito o seu papel, precisa voltar a vencer em casa e não perder tantos pontos jogando na Ilha.

Hugo pode ter sua estreia domingo contra o São Paulo

O empate do último domingo frustrou o planejamento da comissão técnica leonina, que esperava somar quatro pontos nos confrontos com a Ponte Preta e o Atlético-GO. Como não conseguiu acumular a gordura para a dura sequência que vai encarar, o Sport precisará arrancar pontos diante de adversários como São Paulo e Vasco, que figuram no topo da classificação da Série A. Precisando encontrar soluções emergenciais, Vágner Mancini deve promover a estreia do meia Hugo, último reforço apresentado pela diretoria para o Brasileirão.

Apresentado em 17 de julho após longas rodadas de negociação, o atleta mexeu com o otimismo da torcida, ao afirmar que o Sport brigaria por uma vaga na Libertadores. Na mesma ocasião, o meia explicou que precisaria de um período intenso de treinamentos para alcançar a forma física ideal. Agora que a realidade rubro-negra está mais clara, é provável que Hugo finalmente faça sua estreia.

A contratação de Hugo exigiu um grande esforço dos dirigentes, que aceitaram pagar um alto salário ao atleta. Inicialmente, o jogador pediu R$ 300 mil mensais, mas o clube não divulgou o valor final acertado pelas partes. Por tudo isso, a expectativa em torno de seus desempenhos é gigantesca. Espera-se que o jogador possa contribuir significativamente para a busca do equilíbrio tático da equipe. E diante da pressão que se agiganta na Ilha do Retiro, tudo aponta para a estreia contra o São Paulo.

Sport fica no empate com o Atlético-GO

O Sport não teve forças para vencer o Atlético-GO, na tarde deste domingo, na Ilha do Retiro. Em jogo válido pela 13ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, Sport e Atlético-GO ficaram no 0×0 e viram a torcida do Leão ir embora frustrada da Ilha do Retiro. Com o ponto conquistado, o Sport chegou aos 14 pontos e se manteve na 14ª colocação.

No próximo domingo (5), o Sport joga contra o São Paulo, no Estádio do Morumbi, na cidade de São Paulo.

Marquinhos Gabriel marca e é o artilheiro isolado do Sport

Até antes rodada passada, o Sport tinha três jogadores empatados na artilharia com três gols para cada um. Marquinhos Gabriel, Felipe Azevedo e Gilberto, que anotou dois com a camisa do Leão e um ainda pelo Inter. Na última quarta-feira, diante da Ponte Preta, o atacante Marquinhos Gabriel brilhou ao marcar um golaço e garantir um ponto para o Sport. Além disso, ainda deixou os companheiros para trás e se isolou na artilharia rubro-negra com quatro gols.

“Espero fazer muitos gols como esse ainda neste Campeonato Brasileiro. O campo me ajudou bastante na hora do chute. A bola deu uma quicada e ficou boa para que eu chutasse. Fui feliz, mas é importante destacar que o grupo todo está de parabéns. Fomos bem na marcação”, comentou o meia-atacante do Leão.

Já de olho no Atlético-GO – adversário do próximo domingo -, Marquinhos ainda lamentava o empate em Campinas. Segundo ele, o Sport merecia uma sorte melhor. “A gente fez um bom trabalho e acredito que merecíamos um resultado melhor. Não deu pelo fato de ter tomado o gol muito cedo, mas agora é esquecer e já pensar no Atlético Goianiense, que será um jogo muito difícil”, disse ele.

Magrão brilha em empate contra a Ponte Preta

Apesar de ter levado um gol, o grande destaque do Sport no empate em 1×1 contra a Ponte Preta foi o goleiro Magrão. O camisa 1 do Leão teve participação fundamental no ponto conquistado em Campinas com defesas importantes e até milagrosas no Estádio Moisés Lucarelli. Apesar da boa atuação, Magrão fez questão de dividir os méritos com os companheiros.

“Fiz boas defesas e defesas difíceis, mas o resultado aqui em Campinas não é mérito só meu. Os outros jogadores também fizeram as suas partes e ajudaram nesse ponto conquistado. Agora temos que seguir em frente e trabalhar nos dias que faltam para o próximo jogo, contra o Atlético Goianiense”, comentou o capitão rubro-negro.

Como uma espécie de porta-voz do elenco, Magrão fez um pedido para a torcida rubro-negra. “Queria pedir para que os torcedores lotem a Ilha no domingo. Não será um jogo fácil e vamos precisar da ajuda vinda das arquibancadas. O Sport sempre é forte quando torcida e time jogam juntos”, disse ele.

Sport e Atlético Goianiense se enfrentam no próximo domingo, às 16h, na Ilha do Retiro. O jogo será válido pela 13ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

Sport empata com a Ponte Preta

Em um novo jogo de substituições confusas e apagões de seu sistema defensivo, o Sport precisou contar com Magrão para voltar de Campinas com um grande resultado. Com defesas incríveis, o paredão rubro-negro parou os atacantes da Ponte Preta e garantiu o 1 a 1. O próximo compromisso do Leão é com o Atlético-GO.

As três mudanças realizadas por Mancini não surtiram o efeito esperado. Logo aos cinco minutos, o atacante Rildo mostrou que o técnico Gilson Kleina acertou ao escolhê-lo para substituir Roger, vetado em cima da hora por conta de uma lesão muscular. Numa bela arrancada, ele teve facilidade de penetrar o setor direito da zaga leonina e cruzou rasteiro, de letra, em direção ao primeiro pau. A frágil zaga leonina vacilou mais uma vez, permitindo que André Luís escorasse o passe, abrindo o placar para a Ponte Preta.

O gol atordoou os rubro-negros, que não conseguiam reagir e seguiam pressionados em sua intermediária. A Ponte seguiu assustando em investidas rápidas, sempre pelo lado direito. Mas quando qualquer reação parecia improvável, o Sport chegou ao empate aos 21 minutos, em um raro momento de lucidez. Numa boa jogada iniciada com Cicinho, Willians fez o pivô na entrada da grande área e tocou curto para Marquinhos Gabriel, que acertou uma bomba no ângulo direito de Edson Bastos.

A partir daí, os rubro-negros conseguiram equilibrar as ações no meio de campo, mas ainda assim, a defesa seguia transmitindo insegurança em alguns momentos. Por isso, Mancini resolveu dar mais consistência ao setor, promovendo a entrada de Moacir na vaga de Willians. Pouco depois, entretanto, o comandante leonino voltou a fazer uma mudança surpreendente, colocando Magno Alves na vaga de Cicinho. E o jogo virou novamente. Com o meio de campo exposto, o Sport voltou a ser alvo da blitz ponte-pretana.

Numa dura sequência de contra-ataques, Magrão mostrou o motivo pelo qual conquistou o status de ídolo da torcida. Primeiro, o paredão parou uma forte cabeçada de Rildo. Depois, fechou o ângulo de Marcinho – que entrou cara a cara – e no rebote, voltou a parar Rildo.

Tecnico do Leão chateado com a derrota

O técnico Vágner Mancini não escondeu a frustração após a derrota por 3 a 1, para o Grêmio, na noite desta quarta-feira, no Olímpico. Chateado, o treinador do Sport lamentou a queda de rendimento do time que, na sua avaliação, poderia ter definido o duelo ainda no primeiro tempo, se não tivesse perdido algumas oportunidades de gol. O time foi muito bem no primeiro tempo e poderia ter ampliado a vantagem. Já no segundo tempo não conseguiu repetir o bom rendimento e acabou dando muito espaço, o time do Grêmio empatou e acabou ganhado em cima dos erros do Sport.

Para o tecnico, talvez o placar não represente a dificuldade que foi a partida. Os jogadores entenderam bem o que foi pedido, e o time conseguiu realizar uma forte marcação no primeiro tempo, mas infelizmente não teve a mesma postura na etapa final. Se a queipe tivesse sido mais agressiva na etapa final, poderia ter empatado ou até chegado a vit[oria.

A principal reclamação de Mancini foi direcionada a oscilação da equipe, que nos últimos jogos não conseguiu manter um bom rendimento durante toda a partida. Para o treinador, a mudança de comportamento está impedindo que o Sport consiga deslanchar na competição.

Atacante Felipe Azevedo não sabe se será titular, após cumprir suspensão

Após cumprir suspensão automática, Felipe Azevedo que está de volta à equipe não sabe se fará parte do time titular no jogo contra o Grêmio, hoje às 19:30h. Isso porque a disputa no ataque agora anda acirrada, principalmente depois da boa atuação de Gilberto no jogo contra a Portuguesa. O atacante apesar de não saber se joga, quer buscar sempre o melhor para equipe.
Mesmo com a concorrência grande, Felipe Azevedo destaca que o mais importante é o objetivo do clube e acredita que não se sentirá pressionado quando estiver em campo. Ainda existem outros jogadores que podem entrar, como Magno Alves e Gilsinho. E a difícil decisão ficará para o Técnico Vágner Mancini.

Bastidores de Sport x Portuguesa

Apesar da vitória, técnico Vágner Mancini aponta falhas da equipe

Com a vitória por 2 a 1 diante da Portuguesa, o Sport já chega a três jogos de invencibilidade no Campeonato Brasileiro e agora ocupa a 11ª colocação na tabela da Série A. Apesar de comemorar o resultado positivo, na Ilha do Retiro, o treinador Vágner Mancini foi sincero ao reconhecer que a equipe rubro-negra deixou a desejar no quesito marcação, onde a Portuguesa teve liberdade para trabalhar a bola e funcionamento tático, dando grande distância na marcação.Por isso o time sofreu pressão no final.

De acordo com Mancini, a desorganização tática se deveu em razão das mudanças feitas pelo treinador para o confronto contra a Lusa. A estreia do Cicinho como titular, o fato de Ailson e Edcarlos nunca terem jogado juntos e a entrada de Gilberto e Renan Teixeira na equipe descaracterizaram um pouco o time. Na opinião de Vágner Mancini, Renan se perdeu um pouco na marcação, o que diminuiu a pegada no meio-de-campo. Ao longo do campeonato o treinador espera adquirir um padrão de jogo e chegar ao Sport ideal que todos querem.

Apesar das críticas à equipe, o treinador do Sport comemorou a recuperação da equipe no Campeonato Brasileiro. Lembrando que dos últimos nove pontos, foram ganhos sete e a cada dia que passa o time fica mais fortalecido.

Contra a Portuguesa o Sport deve estrear a numeração fixa

Os jogadores do Sport passarão a usar número de camisa fixo a partir do jogo deste domingo (15) contra a Portuguesa.

A numeração de cada atleta ainda está sendo definida pelo departamento de futebol rubro-negro, que deve repassar para o marketing até a quarta-feira. Só então será feita a divulgação oficial.

“A maioria dos grandes clubes do Brasil estão adotando essa prática e nós iniciaremos no jogo contra a Portuguesa”, disse o presidente do Sport, Gustavo Dubeux.

Será a terceira temporada em que o elenco do Sport terá números fixos. A primeira foi em 2000, na Copa João Havelange, e a segunda, em 2009, no ano em que disputou a Libertadores da América.

Veja os gols de Sport 1x 1 Corinthians

Sport e Corinthians ficam apenas no empate

O objetivo era conseguir uma sequência de duas vitórias consecutivas depois de vencer o Coritiba, no último domingo. No entanto, o Leão não conseguiu atingir a sua meta por completo e apenas empatou na noite deste domingo, contra o Corinthians, na Ilha do Retiro. O rubro-negro pernambucano jogou melhor no primeiro tempo, mas viu Liédson abrir o placar na segunda etapa. Marquinhos Gabriel marcou o gol de empate.

Com o empate, o Sport chegou aos nove pontos na tabela de classificação da Série A e caiu uma posição. Agora é o 12º. Na próxima rodada, o Leão volta a jogar na Ilha do Retiro. O jogo será no domingo (15), contra a Portuguesa.

O primeiro tempo foi marcado apenas pelo duelo do ataque do Sport contra a defesa do Corinthians. Mais precisamente contra o goleiro Júlio César e a sua trave, já que os rubro-negros conseguiram finalizar boa parte das chances que tiveram. Na primeira delas, logo aos dois minutos, Marquinhos Gabriel cobrou falta rasteira e Júlio espalmou.

Bastante ligado no jogo, Marquinhos Gabriel assustou outras duas vezes no começo do primeiro tempo. Aos 11 minutos, ele recebeu de Felipe Azevedo, driblou o goleiro Júlio César e tocou voltando para Henrique, que foi travado na hora do chute. No minuto seguinte, Marquinhos cobrou nova falta, mas dessa vez Ailson apareceu para cabecear e obrigar Júlio César a trabalhar mais uma vez.

Bem no jogo até então, o goleiro Júlio César passou a ter uma ajuda importante: a trave. Ou melhor, as traves. Aos 24 minutos, Bruno Aguiar cobrou falta e carimbou a trave esquerda do time paulista. Cinco minutos depois foi a vez de Reinaldo. Ele recebeu de Felipe Azevedo e chutou com força no travessão corintiano.

O Sport jogava bem e dominava a partida, mas ainda faltava o gol. E ele por pouco não apareceu no último lance de perigo do primeiro tempo. Aos 42 minutos, Rithely recebeu de Henrique e ficou cara a cara com Júlio César, mas titubeou e viu o arqueiro paulista levar a melhor.

No segundo tempo, o Corinthians equilibrou a partida, mas não foi tão incisivo. O Sport também não teve o mesmo ritmo e os goleiros pouco trabalharam. Em uma das poucas descidas do alvinegro paulista, o zero saiu do placar. Aos 30 minutos, Douglas fez boa jogada e achou Marquinho, que cruzou com perfeição para Liedson, dentro da pequena área, vencer Magrão.

A resposta do Sport veio dez minutos depois. Roberson lançou Marquinhos Gabriel, que deu um corte no zagueiro Paulo André e chutou rasteiro e sem chances para Júlio César. Depois do gol de empate o Sport ainda teve chance de virar, mas o placar ficou mesmo em 1×1.

Mesmo o Corinthians com time reservas, Magrão não espera jogo fácil

Apesar de no último domingo o Sport não ter tido um jogo fácil contra a equipe reserva  do Coritiba, o mesmo não é esperado pelo time no jogo contra o Corinthians. Magrão afirmou que o Rubro-negro não pode esperar facilidades contra os paulistas. O time ainda está na zona do rebaixamento e vai querer sair dessa situação, então, não tem como esperar nada fácil. Magrão também espera que a torcida do Sport lote a Ilha do Retiro.

No entanto, o camisa 1 do Sport acredita que a conquista da Libertadores pelo o Corinthians poderá fazer com que os jogadores do clube paulista percam o foco na disputa do Brasileiro. “É complicado você ganhar um título muito importante e manter o foco. Então, é possível que o Corinthians perca um pouco o foco nos primeiros jogos. Mas não podemos pensar nisso. Temos que estar preparados para enfrentar o Corinthians que foi campeão da Libertadores.”

Sem Edcarlos, Tobi deve voltar à zaga

Ao chegar ao Sport, uma das primeiras decisões do técnico Vágner Mancini foi tirar Tobi da zaga, onde vinha atuando há cerca de dois anos, e devolvê-lo ao meio-campo, sua posição de origem. Porém, com a suspensão de Edcarlos, Tobi aparece como uma das opões para compor o sistema defensivo na partida contra o Corinthians, domingo, na Ilha do Retiro.

Acostumado ao setor, Tobi garante que, se for necessário, não terá nenhum problema em voltar a atuar ao lado de Bruno Aguiar. A outra opção de Mancini é o zagueiro Ailson.

Mesmo não revelando preferência por nenhum setor, Tobi elencou as características necessárias para atuar em cada função. Sem querer se comprometer com a comissão técnica, o volante garantiu que prefere é estar em campo.

Na avaliação do jogador, o clube precisa ter peças de reposição para que não sofra com as consequências de uma competição longa, como o Campeonato Brasileiro.

Henrique acredita que vitória contra Corinthians terá gostinho especial

Revelado pelo São Paulo, o atacante Henrique, hoje no Sport, garante que é difícil deixar de lado a rivalidade contra o Corinthians, adversário do próximo domingo. Antes de encarar o Leão, na Ilha do Retiro, o Timão decide, quarta-feira, o título da Libertadores contra o Boca.

Questionado se a partida contra o clube paulista poderá representar a arrancada do Leão para o restante da competição, o atleta fez questão de afirmar que o Sport não pode deixar escapar a chance de somar pontos dentro de casa.

Apesar da rivalidade, Henrique garante que vai estar alheio a decisão da Libertadores. Para ele, o pensamento é apenas no Sport.

Apesar da desorganização da CBF, Zé Teodoro diz que o tricolor está preparado para o que vier

As constantes brigas jurídicas que chegaram a paralisar a série C têm deixado o técnico Zé Teodoro chateado. Com jogo marcado para o próximo sábado, contra o Treze, o comandante do Santa Cruz diz não saber se essa tabela será mantida já que sofreu alterações desde que a competição foi iniciada.
Zé Teodoro acha um absurdo um país que irá sediar uma Copa do Mundo tenha uma de séries tão desorganizada. A CBF precisa tomar decisões e não ficar indefinido como está. O Santa Cruz está sendo penalizado pela desorganização alheia.

A preocupação de Zé Teodoro se baseia nas seguidas reviravoltas que a disputa entre Treze e Rio Branco vem tendo nos últimos dias. Antes de toda confusão a Série C teria 20 clubes, incluindo o time do Acre e deixando de fora o paraibano. Depois, incluiu-se o Treze, formando o campeonato com 21 participantes. Em seguida, uma liminar da Justiça da Paraíba pediu a exclusão do Rio Branco-AC, que está proibido de jogar pela Série C.