Alerta: ‘Desafio Bird Box’ é o novo viral perigoso

Inspirado no filme homônimo, internautas têm gravado vídeos em que passam horas vendados enquanto realizam atividades do cotidiano

Os cuidados com crianças e adolescentes precisam ser redobrados quando estes estão expostos à influência do mundo virtual e agora do entretenimento. Esta, sem dúvida, é uma lição cara dos últimos anos. Inspirado no recente lançamento Netflix, o suspense Bird Box, internautas têm se auto desafiado a cumprir atividades do cotidiano ou mesmo realizar missões com os olhos vendados.

Desafio Bird Box Foto: Reprodução/YouTube

Desafio Bird Box
Foto: Reprodução/YouTube

Disponível na plataforma de streaming desde o dia 21 de dezembro, o filme traz a atriz Sandra Bullock como a mãe Malorie. Em um cenário pós-apocalíptico, pessoas são conduzidas ao suicídio após se confrontar com criaturas que tomam a forma de seus maiores medos. A trama se desdobra quando Malorie venda a si e aos seus filhos a fim de fugir para um lugar seguro.

Com o sucesso do longa — que em sete dias foi assistido em 45 milhões de contas e assumiu o primeiro lugar das produções originais Netflix —, criadores de vídeos para o YouTube deram início ao Desafio Bird Box ou Desafio Caixa de Pássaros, como indica a tradução. Dentre os primeiros vídeos publicados está o que a youtuber norte-americana Morgan Adams se desafia a passar 24 horas vendada.

A “brincadeira” chamou a atenção da plataforma, que provocou os fãs para os riscos. “Não posso acreditar que tenho que dizer isso. Por favor, não se machuquem com esse Desafio Bird Box. Não sabemos como isto começou, mas temos apenas um desejo para 2019 e é que você não termine no hospital por causa de memes”, publicou a equipe de mídia social da Netflix no Twitter.

Na quarta-feira (2), a Polícia Federal divulgou uma nota a fim de desencorajar a proliferação do desafio, a exemplo de outros episódios perigosos como o Jogo da Baleia Azul e o Momo do WhatsApp. “Tal atividade parece simples e inocente, mas as pessoas estão fazendo coisas realmente perigosas, como atravessar a rua correndo o risco de serem atropeladas ou cair num buraco”, diz a PF.

Felizmente nenhum caso foi registrado no Brasil, apesar do surgimento de vídeos de internautas brasileiros seguindo o exemplo dos norte-americanos. “Com essa orientação e alerta esperamos causar um impacto e, com informação, não deixar as pessoas se envolverem nesse desafio”, explicou a assessoria da Polícia Federal.

Por Guto Moraes da Folhape