Ex-alunos cometem massacre em colégio de Suzano

Dois ex-alunos de um colégio de Suzano, na região metropolitana de São Paulo, mataram nesta quarta-feira oito pessoas e feriram outras onze, antes de cometerem suicídio, um uma tragédia que choca o Brasil.

4F7D50BE-B3D2-483F-8501-8FA602CDB0EA

As vítimas fatais são cinco estudantes do ensino médio, todos homens – com entre 15 e 17 anos – uma conselheira pedagógica, uma zeladora do colégio e o proprietário de um lava jato.

O massacre ocorreu no Colégio Raul Brasil de Suzano na manhã desta quarta-feira, na hora do recreio.

Segundo o secretário de Seguridad Pública do estado de São Paulo, João Pires de Campos, os atiradores foram identificados como dois ex-alunos do Raul Brasil, de 17 e 25 anos, que agiram por motivação ainda desconhecida.

No massacre foram utilizados um revólver calibre 38 e uma “uma arma medieval semelhante a um arco e flexa” (besta), informou o coronel Marcelo Salles, da Polícia Militar (PM).

Todas as vítimas fatais receberam disparos da arma de fogo, informou um oficial da PM.

O massacre desatou um debate nas redes sociais sobre a influência das imagens de tiroteios em escolas e universidades nos Estados Unidos ou da campanha a favor do porte de armas do presidente Jair Bolsonaro.

- Hora do recreio -

Familiares angustiados, policiais e membros do corpo de bombeiros chegaram rapidamente ao local.

“Soube quando minha filha me telefonou e me disse: ‘Mamãe, venha rápido, há tiros, feridos e mortos”, contou Rosa, mãe de uma aluna.

Após atirar nas pessoas que estavam no pátio, os dois jovens “se dirigiram ao centro de línguas”, onde vários estudantes estavam refugiados, “e se suicidaram no corredor”, revelou o coronel Salles.

“A gente ficou trancado. Tinha muitos alunos passando mal, inclusive eu. Ficava um tentando ajudar o outro e ficamos lá até que abriram a porta (…). Achamos até que eram os bandidos, a gente achou que iam vir para pegar a gente mas eram os policiais, e eles falaram ‘sai correndo e a gente saiu correndo’”, contou a estudante Milene Querren Cardoso.

Imagens das câmaras de segurança de prédios vizinhos mostraram alunos saltando os muros da escola e correndo assustados.

“Foi a cena mais triste que vi em minha vida”, declarou o governador de São Paulo, João Doria, ao visitar o colégio após o massacre.

O ataque desta quarta-feira faz recordar o massacre ocorrido em abril de 2011, quando um ex-aluno matou 12 estudantes e feriu outros 20 antes de se suicidar em uma escola de Realengo, no Rio de Janeiro.

- Influência cultural ou cultura do ódio -

O massacre desta quarta-feira reviveu a polêmica sobre a flexibilização da posse de armas promovida por Bolsonaro.

Em mensagem no Twitter, o presidente prestou suas “condolências aos familiares das vítimas do desumano atendado ocorrido hoje na Escola Professor Raul Brasil, em Suzano, São Paulo. Uma monstruosidade e covardia sem tamanho.

Que Deus conforte o coração de todos”.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, declarou: “É muito triste. A gente tem que chegar à conclusão por que isso está acontecendo. Essas coisas não ocorriam no Brasil, ocorriam em outros países, mas não vejo essa questão (da posse de armas). Vai dizer que a arma dos caras lá eram legais?! Isso não tem nada a ver, sei que isso vai ser colocado e discutido, mas é minha opinião e não me omito jamais”.

“Isto não faz parte da nossa cultura. Não pdoemos aceitar que o ódio entre em nossa sociedade”, disse o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

Já a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou que “tragédias como esta resultam do incentivo à violência e a liberação do uso de armas. O Brasil precisa de paz”.

Por AFP

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>