Caruaru-PE: Dom Dino segue no comando da Diocese que abrange 19 municípios do Agreste

O bispo de Caruaru, Dom Bernardino Marchió, confirmou que vai seguir no comando da Diocese da cidade, que abrange 19 municípios do Agreste. Ele está há 16 anos na função. No dia 6 de setembro de 2018 Dom Dino completou 75 anos de idade, sendo obrigatório solicitar a renúncia do bispado. No entanto, ele emitiu comunicado a Nunciatura Apostólica no Brasil e determinou que Dom Bernardino é “Nunc Pro Tunc”. Isso significa que ele se mantém como bispo em atividade até que seja escolhido um sucessor.

img_2161

É provável que ainda neste ano o Papa Francisco nomeie um novo bispo para a Diocese de Caruaru. O procedimento de renúncia do cargo é exigido pelo Código de Direito Canônico promulgado pelo Papa João Paulo II em 1983. O Bispo Diocesano que tiver 75 anos de idade completos deve apresentar renúncia do seu ofício ao Santo Pontífice, o Papa, que deverá avaliar as circunstâncias do processo para nomeação de um novo bispo. A regra é estabelecida no Cânon 401, parágrafo primeiro do documento.

Em seguida, com a aprovação do pedido de renúncia, o parágrafo primeiro do Cânon 402 prevê a emeritude do bispo. Para a Igreja Católica, o processo de emeritude é apresentado como uma forma de aposentadoria episcopal. Ela pode ser concedida a bispos após completarem 75 anos de idade. A partir daí o bispo emérito fica desabrigado de suas funções clericais. No entanto, isso não significa a perda de seu ministério e até o fim da sua vida o clérigo continua vinculado à igreja de acordo com sua ordem ou congregação.

Na Diocese de Caruaru houve um caso de emeritude. Em 1992, Dom Augusto Carvalho renunciou o ministério episcopal, tornando-se Bispo Emérito de Caruaru. Seu sucessor, Dom Antônio Soares Costa, foi bispo diocesano de 1993 a 2002, ano de seu falecimento. Em 2003, Dom Bernardino Marchió foi nomeado bispo da Diocese e durante 16 anos esteve à frente das 19 cidades que a compõe. Até a escolha de uma nova pessoa para o cargo a Diocese torna-se uma Sé Vacante, do latim “Trono Vazio”, que corresponde ao período em que o episcopado de uma Igreja em particular está sem ocupante.

Como funciona o processo?

Inicialmente o bispo diocesano, ao completar 75 anos, escreve uma carta de renúncia endereçada ao Vaticano. O documento é enviado ao Núncio Apostólico do país ou região, que é o representante da jurisdição eclesiástica, a Santa Sé. Em seguida, a carta é enviada para a Congregação dos Bispos, um organismo da Cúria Romana, que apresenta a renúncia ao Papa.

No caso de renúncia por idade, o mais comum é que o Papa aceite a solicitação, também através de carta. No caso de Dom Bernardino, o pedido de renúncia deve ser aceito pelo Santo Pontífice nos próximos meses. A decisão para escolha de um novo bispo acontece a partir de uma consulta individual e sigilosa, como prevê o Código Canônico.

Do Blog do Mário Flávio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>