Bolsonaro lidera com 26% e Haddad tem 6% em cenário sem Lula, mostra pesquisa; rejeição de Alckmin aumenta

A primeira pesquisa eleitoral divulgada após o início da propaganda eleitoral na televisão e depois da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ser barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostrou um cenário de leve variação para cima nas intenções de voto para o provável substituto do petista, Fernando Haddad, enquanto Jair Bolsonaro (PSL) segue na dianteira das intenções de voto em um cenário sem o ex-presidente.

img_9963

Enquanto isso, Geraldo Alckmin (PSDB), que possui o maior tempo de propaganda eleitoral, segue patinando nas intenções de voto. É o que aponta a mais recente pesquisa FSB/BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (3), que possui o registro BR-01057/2018 no TSE. O Instituto FSB Pesquisa entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores, e a margem de erro é de 2 pontos percentuais. A decisão do Tribunal Eleitoral, que determinou a inelegibilidade de Lula a presidência, não está refletida em todos os cenários.

Contudo, em um cenário em que Lula ainda aparece, na intenção de voto espontânea, a queda do petista é expressiva, passando de 26% na semana anterior, para 21% no último levantamento para o petista. Bolsonaro teve elevação dentro da margem de erro, indo de 19% para 21%, Ciro Gomes (PDT) foi de 2% para 4%, Alckmin e Marina Silva (Rede) oscilaram de 2% para 3%. João Amoêdo (Novo) manteve 3% das intenções de voto, enquanto Álvaro Dias (PODE) seguiu em 1%. Não sabem ou não responderam passaram de 25% para 24%, não votariam em ninguém foram de 15% para 14%, enquanto brancos e nulos se mantiveram em 5%.

Já na intenção de voto estimulada, Lula aparece com oscilação para cima dentro da margem de erro, passando de 35% para 37%, Bolsonaro se manteve com 22% das intenções de voto, Marina Silva caiu de 9% para 5%, enquanto Ciro Gomes foi de 5% para 7%. Alckmin manteve os 6% de intenção de voto, Alvaro Dias passou de 2% para 3% e Amôedo manteve os 4% dos votos.

Em um cenário de intenção de votos estimulada tendo Haddad como substituto de Lula, Jair Bolsonaro passou de 24% de intenção de voto no levantamento anterior para 26%, Marina caiu de 15% para 11%, enquanto Ciro Gomes se destacou ao passar de 8% da intenção de voto para 12% em uma semana. Alckmin oscilou para baixo, de 9% para 8%, enquanto Haddad oscilou para cima, de 5% para 6%. Amoêdo se manteve com 4% dos votos, assim como Álvaro Dias, que seguiu com 3%. Não votaria em ninguém se manteve em 18%, branco/nulo somam 4%, enquanto não sabe/não responderam foi para 6%.

O levantamento também fez um cruzamento de dados mostrando a transferência de votos de Lula – como vota no cenário com Haddad quem votou no ex-presidente petista em outro cenário. Marina teve queda de 17% para 15%, Haddad subiu de 12% para 15%. Com expressivo crescimento, está Ciro, de 9% para 15%, enquanto Bolsonaro e Alckmin tiveram oscilação para baixo, de 9% para 8%. Alvaro Dias, Henrique Meirelles (MDB) e Guilherme Boulos (PSOL) herdam 1% dos votos.

O apoio de Lula a Haddad também apontou um aumento de importância. O número de pessoas que não votariam de jeito nenhum em Haddad caso Lula não pudesse ser candidato e apoiasse o ex-prefeito paulistano caiu de 64% para 61%, enquanto o número dos que votariam com certeza foi de 18% para 19%. Os que poderiam votar foi de 13% para 14% de uma semana para outra.

Potencial de voto X rejeição

Com relação ao potencial de voto (porcentagem dos que poderiam votar em um determinado candidato), Lula aparece em primeiro com 53%, seguido por Bolsonaro e Marina, ambos com 35%, Ciro com 34%, Alckmin com 27%, Haddad com 20%. Alvaro Dias tem 15%, Meirelles possui 12% de potencial de voto, seguido por Amoêdo com 11%, Vera Lúcia (PSTU) e Boulos com 6%. Cabo Daciolo (PATRI) e João Goulart Filho (PPL) possuem ambos 5% de potencial de voto, enquanto José Maria Eymael (DC) registra 4% de intenção de voto.

Alckmin aparece com a maior rejeição – ou seja, a porcentagem de quem não votaria nele “de jeito nenhum” -, com 63% ante 59% da pesquisa anterior. Marina aparece na sequência com 58%, ante 54% do último levantamento, seguida por Meirelles, com 55% (ante 51% da pesquisa anterior). Ciro Gomes e Bolsonaro possuem 51% de rejeição – ante 53% e 49% do último levantamento, respectivamente. Enquanto isso, Lula oscilou para baixo, de 47% para 46% de rejeição.

Da Infomoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>